Segunda-feira Santa 2015 - 2016 - 2017




Segunda-Feira Santa e a Limpeza do Templo de Jerusalém

Brasil 2015 2016 2017 2018 2019
Segunda-feira Santa 30 de março 21 de março 10 de abril 26 de março 15 de abril



Na missa da Segunda-Feira Santa, os fiéis relembram a prisão de Cristo e sua dolorosa caminhada até o Calvário. Em algumas igrejas é realizada a Procissão de Nosso Senhor dos Passos, cuja tradição se iniciou durante a Idade Média.

Os cristãos acreditam que o famoso episódio bíblico da limpeza do Templo aconteceu neste dia.

A limpeza do Templo de Jerusalém

Jesus chegou a Jerusalém acompanhado de seus discípulos no Domingo de Ramos, para celebrar o Pessach – a Páscoa judaica. Na segunda-feira, dirigiu-se ao Templo de Herodes e descobriu que o santuário estava tomado por vendedores de animais e cambistas, que trocavam moedas gregas e romanas pelas hebraicas e fenícias.

Enfurecido, ele os expulsou usando um chicote improvisado com cordas, virando suas mesas e cadeiras e espalhando o dinheiro pelo chão. É a única passagem da Bíblia que menciona o uso de força física por Cristo. Segundo o Evangelho de São João, disse: “Tirai daqui estas coisas; não façais da casa de meu Pai uma casa de negócio” (João 2:15-16). Com esta fala, ele assumiu publicamente sua identidade de Filho de Deus.

Jesus, então, proibiu a realização de qualquer tipo de comércio no Templo, desagradando os sacerdotes da época, que estavam por trás da comercialização de pequenos animais para sacrifícios. Provavelmente foi neste momento que começaram a conspirar pela sua prisão e morte.

Atualmente, usa-se muito esta passagem da Bíblia para criticar os líderes religiosos que comercializam objetos ditos “sagrados” em nome da fé, prática que ocorre desde a Idade Média.

Jesus amaldiçoando a figueira

Outro episódio que parece ter ocorrido na Segunda-Feira Santa é a maldição da figueira. Jesus sentia fome e aproximou-se de uma figueira com folhas verdes para procurar frutos, embora alertado pelos discípulos que não era época de figos. Como não encontrou nada, disse: “nunca jamais coma alguém fruto de ti” (Marcos, 11:14).

Passando por lá no dia seguinte, os apóstolos perceberam que a árvore secara até a raiz. Quando chamaram a atenção de Jesus para o fato, ele respondeu: “Tende fé em Deus. Em verdade vos digo que quem disser a este monte: Levanta-te e lança-te no mar, e não duvidar no seu coração, mas crer que se faz o que ele diz, assim lhe será feito. Por isso vos afirmo: Tudo quanto suplicais e pedis, crede que o tendes recebido, e tê-lo-eis.”. (Marcos 11:22-24).

A doutrina cristã explica este episódio como uma afirmação da autoridade de Cristo perante as forças da natureza. Para alguns teólogos, no entanto, a figueira é uma metáfora para a comunidade judaica, que apesar de sua beleza exterior não produzia mais frutos para o Reino de Deus.