Proclamação da República 2017 - 2018 - 2019




Proclamação da República, uma nova era política no Brasil

Brasil 2017 2018 2019
Proclamação da República 15 de novembro 15 de novembro 15 de novembro



No dia 15 de novembro, comemora-se a Proclamação da República do Brasil. A data, feriado nacional, é festejada principalmente nas escolas e repartições públicas. Algumas cidades organizam desfiles cívicos.

A Proclamação da República aconteceu no dia 15 de novembro de 1889, em decorrência de um movimento articulado entre civis e militares e sem a participação do povo. Um golpe de estado, liderado pelo Marechal Deodoro da Fonseca, depôs o então Imperador D. Pedro II e decretou o fim da Monarquia vigente até então. Foi instaurado o sistema de governo chamado republicano federativo presidencialista (uma República, formada por uma federação de Estados e governada por um Presidente).

A decadência do Império

A Monarquia brasileira vinha perdendo seu prestígio e o apoio político que tinha junto às classes abastadas da população, como cafeicultores, militares e o clero. A classe média também estava insatisfeita e via na República chances de liberdade econômica e política: passaram a fervilhar revoluções por todo o país, como a Sabinada na Bahia e a Revolução Farroupilha no Rio Grande do Sul. A situação se agravou após o final da Guerra do Paraguai, que deixou uma dívida externa astronômica para o Brasil, piorando a crise econômica já instalada.

D. Pedro II era ainda uma figura bem-vista pela população, mas estava doente e já em idade avançada, o que o afastava das decisões políticas do país. Quando viesse a falecer, a próxima na linha sucessória era a Princesa Isabel, casada com o Conde d’Eu, que seria alçado ao posto de Imperador. No entanto, o conde era rejeitado pela alta sociedade, pois era francês e tinha fama de arrogante.

Logo, a elite começou intensa campanha contra o regime monárquico. A última base de sustentação do Império se perdeu com a abolição da escravatura em 1888, quando os grandes latifundiários ficaram furiosos por perder seus escravos sem direito a uma indenização do Estado. Como forma de vingar-se da monarquia, esses proprietários uniram-se à causa republicana.

A Proclamação da República

Os militares também estavam insatisfeitos com a falta de autonomia que tinham nas decisões sobre a defesa do território, e com o fato de sujeitar-se às ordens de uma corte civil que nada entendia do assunto. Quando foram para a Guerra do Paraguai, puderam perceber o quanto a realidade das repúblicas da América do Sul era diferente da brasileira, o que reforçou o desejo de depor a Família Real.

O golpe militar para a tomada do poder estava programado para o dia 20 de novembro de 1889, mas foi antecipado pelo boato de que havia ordens de prisão contra os líderes do movimento. Na manhã do dia 15, Deodoro da Fonseca reuniu soldados e marchou rumo ao Paço Imperial, no Rio de Janeiro, sede do governo. Lá, os revoltosos depuseram o Gabinete Ministerial e prenderam seu presidente, o Visconde de Ouro Preto. À tarde, dirigiram-se à Câmara Municipal do Rio de Janeiro, onde proclamaram solenemente a República e instauraram um governo provisório.

No dia seguinte, a família real brasileira recebeu um comunicado oficial e foi obrigada a embarcar de volta a Portugal. Seu retorno foi autorizado apenas em 1920.

Em 1993, foi realizado um plebiscito questionando se a vontade popular era a volta da Monarquia ou a manutenção da República. A forma republicana de Estado venceu por 86% dos votos válidos.