Horário de Verão 2017 - 2018 - 2019




Horário de verão e a economia de energia

Brasil 2017 2018 2019
Horário de Verão 15 de outubro 21 de outubro 20 de outubro



Horário de verão é o hábito de adiantar uma hora no relógio em relação ao fuso horário local durante um determinado período do ano. Costuma ser usado no verão, quando os dias são mais longos por causa do movimento de translação da Terra.

O objetivo é aproveitar a luz do dia por mais tempo e assim economizar energia elétrica com a diminuição do uso de energia artificial.

Hoje é adotado em todos os países da Europa, alguns países da África, em parte da Austrália, do México, do Canadá, dos Estados Unidos e do Brasil.

Origem do horário de verão

A adoção do horário de verão foi proposta por Benjamin Franklin, um dos maiores estudiosos sobre eletricidade que o mundo conheceu, antes mesmo da invenção da luz elétrica. Franklin publicou um artigo na França sobre a considerável economia de cera de vela que seria feita caso a medida fosse adotada, mas não foi levado a sério.

A ideia foi ressuscitada em 1907 pelo construtor e membro da Sociedade Astronômica Real britânica William Willet, em um panfleto chamado Waste of Daylight (Desperdício da Luz do Dia). Willet propunha que os relógios fossem adiantados em 20 minutos nos domingos do mês de abril e atrasados em 20 minutos nos domingos de setembro.

No entanto, o horário de verão só foi adotado pela primeira vez na Alemanha, em 1916: em plena Primeira Guerra Mundial, a escassez de recursos tornou a medida necessária para economizar carvão. Muitos outros países passaram a utilizá-lo, mas parte deles aboliu a prática já há algum tempo.

Alguns críticos afirmam que o horário de verão atrapalha o relógio biológico, principalmente das pessoas idosas, podendo inclusive prejudicar sua saúde.

Horário de verão no Brasil

O horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas.

Como a medida não gera economia significativa em regiões próximas à linha do Equador, em que há menor variação entre o tamanho do dia e da noite, só é adotada nos estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Sua duração varia a cada ano: a média é de cerca de 120 dias.

Como o horário de verão atrasa o início da noite, acaba aliviando o sobrecarregado sistema elétrico brasileiro exatamente no horário de pico, evitando um colapso total. No ano de 2015, a economia alcançou 265 megawatts, energia suficiente para abastecer uma cidade do porte de Brasília mais outra do porte de Florianópolis durante um mês.