Dia de Iemanjá 2017 - 2018 - 2019




Dia de Iemanjá, a Rainha do Mar

Brasil 2017 2018 2019
Dia de Iemanjá 2 de fevereiro 2 de fevereiro 2 de fevereiro



No dia 2 de fevereiro, é comemorado o dia de Iemanjá, orixá africano cultuado em religiões como o Candomblé e a Umbanda. Orixás são divindades que correspondem a forças da natureza e suas manifestações.

Iemanjá é considerada a rainha das águas doces e salgadas. Seu nome vem da expressão “yèyé omo ejá”, que na língua Yorubá (a maior etnia africana) significa “mãe dos peixes”. É a padroeira dos pescadores, e decide o destino de qualquer pessoa que se aventura a entrar no mar.

Também é considerada também a deusa do amor, da compaixão, do perdão e auxilia a qualquer pessoa que humildemente peça sua ajuda.

Iemanjá possui vários outros nomes, como Janaína, Aiucá, Inaê, Dandalunda, Ísis, Marabô e Princesa de Aiocá.

Como surgiu o Dia de Iemanjá?

Quando os africanos foram escravizados e trazidos à força para o Brasil, foram obrigados por seus donos a se converterem ao catolicismo. Como forma de fingir que adotaram a nova religião sem abandonar as crenças de sua terra natal, eles associaram cada orixá a um santo católico e continuaram seus cultos em segredo.

Por isso, Iemanjá foi associada a Nossa Senhora dos Navegantes, cuja festa é celebrada no dia 2 de fevereiro com uma grande procissão fluvial. Há também associações com Nossa Senhora da Glória e Nossa Senhora da Conceição.

No estado de São Paulo, consagra-se à divindade o dia 8 de dezembro, mesmo dia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição.

O culto a Iemanjá

Nas religiões que ainda se mantêm fiéis às origens africanas, o culto a Iemanjá é realizado em lugares fechados. Porém as festas mais populares são as realizadas à beira do mar.

Durante as festividades, as pessoas vão às praias totalmente vestidas de branco e levam presentes para servirem como oferenda à divindade. Como ela é tida como bela e vaidosa, os fiéis costumam oferecer flores, perfumes, espelhos, bijuterias, sabonetes e enfeites, além de velas e alimentos típicos da culinária africana preparados em um ritual especial.

As oferendas são depositadas em pequenos barcos artesanais e lançadas ao mar. Se o barco afundar ou voltar à praia, é um sinal de que a oferta não foi aceita.

A maior festa dedicada a Iemanjá no Brasil é realizada na cidade de Salvador e reúne milhares de devotos, turistas e curiosos todos os anos.

As homenagens também são bastante usuais na noite do Réveillon, quando além das oferendas as pessoas tomam banho de mar e pulam sete ondas para começar o ano com a proteção da divindade.